LULA PEDE HABEAS CORPUS AO STJ PARA TENTAR IMPEDIR PRISÃO DETERMINADA PELA JUSTIÇA

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

A defesa do ex-presidente Lula pediu habeas corpus ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta terça-feira, 30, para tentar impedir que o petista seja preso após esgotadas todas as possibilidades de recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª-Região (TRF-4). A determinação da execução provisória da pena após o julgamento de recursos é da própria Corte, que aumentou a condenação de Lula na semana passada para 12 anos e 1 mês.
Na ação apresentada ao STJ nesta terça, os advogados de Lula argumentam que a execução da pena após condenação em segunda instância contraria a Constituição, na parte que diz que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.

A defesa do ex-presidente também fundamenta o pedido com base no Código Penal, que prevê somente prisão preventiva ou após “sentença condenatória transitada em julgado”.

A alegação dos advogados de Lula é que somente após esgotados todos os recursos, inclusive nas instâncias superiores (o STJ e o Supremo Tribunal Federal), um condenado pode começar a cumprir a pena.

O ex-presidente foi sentenciado inicialmente a 9 anos e 6 meses pelo juiz federal Sérgio Moro, que entendeu serem o triplex 164-A, no condomínio Solaris, e suas respectivas reformas, propinas de R$ 2,2 milhões da construtora OAS.

“A defesa também solicitou ao STJ a concessão de medida liminar para desde logo afastar a determinação de execução provisória da pena, de forma a assegurar a Lula a garantia da presunção da inocência que lhe é assegurada pela Constituição Federal nesta etapa da ação penal e, ainda, para paralisar uma indevida interferência de alguns órgãos do Poder Judiciário no processo político-eleitoral que se avinha”, informaram em nota os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Z. Martins.

As duas teses apresentadas pela defesa de Lula já foram analisadas pelo STF, em 2016, quando a maioria dos ministros entendeu ser possível a execução da pena após condenação em segunda instância, sob o argumento de que, após essa etapa, não há dúvidas sobre os fatos e provas de um processo penal.

A defesa de Lula, no entanto, argumenta que tal entendimento do STF não é vinculante, ou seja, não obriga os demais tribunais a segui-lo.

À época, as decisões do plenário do STF permitiram a execução da pena, mas não obrigaram os tribunais de segunda instância a decretar prisão após a condenação.

Ontem, 29, a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, disse que seria “apequenar” o tribunal utilizar o caso do ex-presidente Lula para reabrir a discussão sobre a execução de sentença após condenação em segunda instância.

Dentro do STF, alguns ministros, como Gilmar Mendes e Marco Aurélio, defendem uma revisão da decisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×